O poder mágico da Melanina

Hoje gostaria de vos falar sobre o poder mágico de uma substância que qualquer ser humano produz: a Melanina.

Fui ao wikipedia e retirei a sua definição:

“Melanin is a class of compounds found in the plant, animal and protista kingdoms, where it serves predominantly as a pigment. The class of pigments are derivatives of the amino acid tyrosine. The most common form of biological melanin is eumelanin, a brown-black polymer of dihydroxyindole (also known as hydroquinone), dihydroxyindole carboxylic acid, and their reduced forms. Another common form of melanin is pheomelanin, a red-brown polymer of benzothiazine units largely responsible for red hair and freckles.”

E é isto que a ciência nos diz. No entanto para alguns “místicos” e visionários isto não é suficiente. Para essas pessoas (com capacidade de raciocínio duvidosa) não lhes interessa o que é mas sim a sua quantidade.

Para eles, esta substancia quando produzida em elevadas quantidades tem o poder de transformar seres humanos em “selvagens perigosos” ou em “criminosos natos”. Deve ser um elixir do mal certamente, produzido pelo próprio Diabo e que transforma por completo um ser humano ao ponto de alguns classificarem de sub-raça todos os seres humanos que apresentem quantidades fora de um certo intervalo.

Por mim, sou mais céptico e ligo só à ciência. Para mim é um simples composto que serve como pigmento, e que nos protege dos raios solares. Tudo o resto não passa para mim de uma enorme estupidez que eu julgava que não era aceitável em pleno século XXI!

5 comentários:

Luís disse...

Perdoe-me a ausência prolongada.

O Ca´burro e sus muchachos vão gostar de ler este texto. Pode ser que se faça luz naquelas mentes paleoliticas.

Tarzan disse...

O facto de ser uma estupidez não quer dizer que não exista. Existe. Para muitos (com muita ou pouca melanina) a melanina é relevante para construir os seus estereótipos e formar a sua opinião. Pode não s concordar mas não se deve ignorar esta realidade, por mais estúpida que pareça.

Pior que o racismo é a mentalidade tribal tenha ela por fundamento a côr da pele, o bairro, a ideologia, a classe social, o que for.

Stran disse...

"Pior que o racismo é a mentalidade tribal tenha ela por fundamento a côr da pele, o bairro, a ideologia, a classe social, o que for."

O racismo é uma forma apurada de mentalidade tribal e daí ser dificil de erradicar. Como animal social que somos temos a tendência de formarmos grupos, no entanto julgo que passado mais de 10000 anos de humanidade era importante abandonarmos formas mais primitivas (e daí contrária ao proprio desenvolvimento da humanidade) de criar associações sociais.

Tarzan, o mote deste artigo aparece precisamente pelo facto de não ignorar esta realidade. Aliás é o pior que se pode fazer para combater o racismo...

Luis,

Seja benvindo de volta e obrigado pelo comentário. No entanto julgo que pede o impossível...

ml disse...

O ca'burro está careca de saber que as ditas raças se diferenciaram por necessidades adaptativas ao clima e ao meio e que quando as tribos deixaram África tinham todas as mesmas características. Só que os ca'burros, que infelizmente são muitos mais do que o original, primeiro criam o mundo ideal em que gostariam de viver, depois amartelam a realidade para caber no que não existe. Não cabe, é claro, e por isso entram em contradições grosseiras completamente idiotas. E incomodam, fazem com que se gaste muito dinheiro dos impostos dos cidadãos para controlar os disparates que fazem.

É patético ver gente gastar tempo e energias num projecto não só completamente inviável como em sentido contrário àquele em que o mundo, indiferente a esta gente, sempre caminhou.

Stran_ger disse...

"É patético ver gente gastar tempo e energias num projecto não só completamente inviável como em sentido contrário àquele em que o mundo, indiferente a esta gente, sempre caminhou."

O problema para mim é quando o mundo de repente caminha pelo caminho dessas pessoas, como aconteceu na Alemanha.

Para ser honesto julgo que a II grande guerra necessita de estar sempre presente para nos recordarmos que a simples educação não é suficiente para evitar os crimes racistas...