A hipocrisia do preâmbulo (parte I)

É sem dúvida muito interessante uma leitura do preâmbulo que alterou o Estatuto de Carreira dos Docentes (Dec-Lei nº 15/2007 – ver aqui). Já no meu comentário sobre o preâmbulo do Dec-Lei que regulamentava o concurso de professores titulares eu o tinha considerado interessante e também que se encontrava desfasado com o que estava a regulamentar.

Este é sem dúvida uma obra-prima, um hino à hipocrisia que acabou por ser relevado pela actuação do governo neste campo a partir desse momento. Devo confessar que lendo este preâmbulo sem ter em conta a realidade actual uma pessoa chegaria à conclusão de que “tínhamos governo”! A análise é bem feita e não fosse a pratica subsequente ser diversa deste preâmbulo teria que afirmar que está em rumo uma mudança qualitativa na Educação.

Analisemos então o Preâmbulo:

reafirma-se a noção de que os educadores e professores são os agentes fundamentais da educação escolar.”

Começa logo de uma forma espectacular, pondo no centro da questão a importância dos professores e dos educadores!

O trabalho organizado dos docentes nos estabelecimentos de ensino constitui certamente o principal recurso de que dispõe a sociedade portuguesa para promover o sucesso dos alunos, prevenir o abandono escolar precoce e melhorar a qualidade das aprendizagens.

E continua com a valorização do papel dos professores, nem parece que vem do gabinete da Ministra que conhecemos…

O Estatuto da Carreira Docente (…) cumpriu a importante função de consolidar e qualificar a profissão docente, atribuindo-lhe o reconhecimento social de que é merecedora.”

Os elogios não param, por esta altura fico com a impressão que tenha sido injusto sobre a minha opinião sobre a ministra, até que…


[NOTA: Este artigo reflecte uma opinião pessoal devidamente legitimada no direito de Liberdade de Expressão consagrada na Constituição Portuguesa]

2 comentários:

dedinho disse...

Wiskas saquetas... bla, bla, bla... wiskas saquetas...

Stran_ger disse...

lol
Acho que você disse tudo...